Secretária Adjunta da Sesap comenta sobre decreto e apela para o bom senso da população

Destacando a preocupação dos gestores com esse momento crítico de novas variantes no Rio Grande do Norte, a secretária adjunta da Secretaria Estadual de Saúde Pública, Dra Maura Sobreira, reforça a necessidade de distanciamento social e comenta decisões do último decreto apresentado pelo Governo do Estado, com recomendações aos municípios.

“A gente destaca a preocupação com este momento, que é extremamente crítico, de novas variantes, e com a população que relaxou em relação ao distanciamento social, que é o que mais nos preocupa. A gente só consegue equacionar isso nas ações que refletem distanciamento social. A conta não fecha. Não é só abrir leitos. Para abrir leitos, é preciso ter mais equipamento e mais profissionais. Nossos profissionais estão há quase um ano nesta exaustão, estão cansados. Não se encontra profissionais na prateleira. A gente precisa respeitar a vida individual e coletiva para reverter o cenário atual, que é crítico”, alerta Dra Maura.

Entre as recomendações, o novo decreto reforça o uso obrigatório de máscara e distanciamento social, barreira sanitárias, e funcionamento dos bares até 22h.

“Recomendamos barreiras sanitárias porque há Estados vizinhos praticamente colapsados. Sobre o funcionamento dos bares até 22h, pretende-se diminuir a possibilidade de aglomeração dos jovens, que infelizmente, são os que estão trazendo o vírus para os idosos, e outros grupos que, muitas vezes, ficam em casa, mas estão sendo contaminados por esse público jovem. O último decreto foi dialogado com Judiciário, Ministério Público, municípios, Legislativo, e a gente apela para o bom senso da população, especialmente neste momento”, ressalta a secretária adjunta.

Houve reunião com gestores da região metropolitana de Natal e conforme Dra Maura Sobreira, houve disponibilidade das forças de segurança através do Pacto pela Vida e irão ocorrer novas reuniões com secretários de Saúde dos municípios, para reforçar a importância das ações recomendadas em decreto.

A secretária adjunta ressalta que devido a vacina ter iniciado tarde no Brasil, em comparação a outros países, o número de pessoas vacinadas no país ainda não atingiu 3% e o distanciamento social é fundamental.

“Diante da pouca disponibilização de vacinas pelo Governo Federal e o tempo de início da vacinação que foi tardia, em relação a outros países, o número de vacinados no Brasil ainda é inferior a 3% da população geral, e a gente não consegue sair dessa sem distanciamento social, então, contamos com a colaboração da população”, diz Dra Maura Sobreira.

Sobre disponibilidade de oxigênio para pacientes, Dra Maura Sobreira assegura que o Rio Grande do Norte não está em falta de oxigênio, e há contrato vigente, com capacidade inclusive, de expansão desse contrato.

Foto: Elsie