Potiguar é homenageada na ilustração do Google, hoje

Visite a página do Google e você verá homenagem a uma potiguar.

O Google Doodle, ilustração da marca que aparece na página principal do site, nesta sexta-feira (19) homenageia um dos maiores ícones da cultura potiguar, Dona Militana, pelo seu 96º aniversário.

De São Gonçalo do Amarante, Militana Salustino do Nascimento é considerada a maior romancista do Brasil. Ela nasceu no sítio Oiteiros, na comunidade de Santo Antônio dos Barreiros, em 19 de março de 1925 e faleceu em 19 de junho de 2010, aos 85 anos.

Quem assina a arte no gigante de buscas é a designer pernambucana radicada em São Paulo Bel Andrade Lima.

“Mulher nordestina, analfabeta, com uma história de vida impressionante, por anos guardou na memória inúmeros romances e histórias medievais, que ouvia do seu pai enquanto trabalhavam na lavoura. Eram romances antigos de tradição oral, de origem ibérica, que remontam há até 700 anos. Ela era uma guardiã de uma cultura que já havia quase se perdido. Foi uma honra conhecer e celebrar sua história e seu legado, Dona Militana!”, escreveu em rede social.

A infância de Militana foi no campo, plantando safras e tecendo cestos com seu pai, que cantava na lavoura. Atanásio Salustino do Nascimento era Mestre do Fandango.

Muitas daquelas canções, das quais Militana jamais esqueceria, contavam histórias de antigos reinos, guerreiros e amantes medievais.

O talento de Militana permaneceu praticamente desconhecido por décadas, até que ela foi descoberta pelo folclorista Deífilo Gurgel na década de 1990. Em 2000, Militana gravou “Cantares”, uma coleção de três discos e 54 canções romanceiras, com letras e melodias que refletiam com precisão a época em que se originaram.

Esse trabalho, produzido por Dácio Galvão e lançado pelo projeto Nação Potiguar, da Fundação Cultural Hélio Galvão e do Scriptorium Candinha Bezerra, apresentou pequena parte do grande repertório de Dona Militana.

Em reconhecimento, Dona Militana recebeu a Ordem do Mérito Cultural em 2005, comenda máxima da cultura popular, pelas mãos do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Fonte:  Isabela Santos – Saiba Mais Agência de Notícias