Favela de São Paulo implanta projeto de hortas comunitárias

Maior favela de São Paulo, com cerca de 200 mil habitantes, Heliópolis será a segunda comunidade a implantar o projeto AgroFavela de hortas comunitárias, seguindo movimento iniciado em Paraisópolis, no ano passado.

Segundo o G10 Favelas, bloco de líderes e empreendedores formado por moradores das dez maiores comunidades do Brasil, o empreendimento inclui uma horta vertical, além de sistema hidropônico, com 19 metros de parede produtiva. A capacidade é de 750 plantas por ciclo. No primeiro deles, os responsáveis esperam plantar 15 espécies.

Com o objetivo de alcançar mil lajes distribuídas nacionalmente nas favelas onde o G10 atua, a iniciativa também promete promover a conscientização para reduzir o desperdício de alimentos, treinando mulheres para plantar hortas em suas próprias casas.

A iniciativa do G10 Favelas tem parceria do Instituto Stop Hunger e da Sodexo. O AgroFavela se propõe a combater a fome, por meio da implantação da horta comunitária, visando melhorar a condição nutricional e a boa alimentação das famílias.

Em outros locais da capital paulista também são desenvolvidos projetos com foco nas hortas comunitárias. No coração de São Paulo, a horta do Centro Cultural São Paulo é aberta para o público e a pequena produção, destinada aos voluntários que se revezem para cuidar da horta.

Em 2011, quando foi idealizada, a horta era mantida a partir de mudas e materiais cedidos pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente. Atualmente, a área é mantida por voluntários.

Mutirões são realizados quinzenalmente, a partir das 10h30min e todos os interessados podem participar, basta levar mudas (exceto de árvores) e ferramentas para o manuseio do cultivo.

Fonte Globo Rural Fotos Divulgação