Bolsonaro veta campanha do BB e demite diretor de marketing

Jair Bolsonaro vetou uma campanha publicitária do Banco do Brasil estrelada por atores e atrizes negros e jovens tatuados usando anéis e cabelos cumpridos.

Os jovens são um público preferencial do banco. A crise levou à demissão do diretor de Comunicação e Marketing do BB, Delano Valentim.

Jair Bolsonaro se envolveu pessoalmente no caso e procurou Rubem Novaes, o presidente do banco, para se queixar da peça e exigir a censura.

A informação é do jornalista Gabriel Mascarenhas, da coluna de Lauro Jardim, em O Globo.

Rubem Novaes admitiu ao jornalista que Bolsonaro não gostou do resultado da campanha, mas não esclareceu a razão exata da censura. Disse Novaes:”O presidente Bolsonaro e eu concordamos que o filme deveria ser recolhido. A saída do diretor é uma decisão de consenso, inclusive com aceitação do próprio”.  

 Esta foi a segunda vez em um mês e meio que Bolsonaro protagonizou uma controvérsia envolvendo a maior instituição financeira estatal do país. Às vésperas do Dia Internacional da Mulher, o presidente foi ao Facebook para criticar a decisão do Banco do Brasil de tornar obrigatório um curso de diversidade, prevenção e combate ao assédio moral e sexual. Além de avisar que havia ordenado à cúpula do banco que abolisse a formação, o presidente orientou os postulantes a cargos no BB a recorrerem à Justiça.

— Um conselho que eu dou a vocês é: que se, porventura, alguém que for aprovado no concurso e for exigido esse diploma, você pode entrar na Justiça, que tu vai ganhar (sic). Se bem que eu vou tentar junto ao Banco do Brasil ainda para que se evite isso — declarou Bolsonaro, na ocasião.