Associação Nacional de Filosofia diz que atitude de Bolsonaro e ministro da Educação é de “ignorantes”

As afirmações de Bolsonaro e Weintraub sobre ciências humanas não gerarem renda ou melhorarem a sociedade repercutiram de forma negativa entre entidades acadêmicas.

Uma nota com críticas foi divulgada pela Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia (Anpof), e corroborada por outras 27 associações de pesquisadores de áreas de humanidades, como ciências sociais, educação, jornalismo, religiões, cultura e psicologia. Segundo a nota, a declaração mostra “ignorância” por parte do presidente e do ministro.

“As declarações do ministro e do presidente revelam ignorância sobre os estudos na área, sobre sua relevância, seus custos, seu público e ainda sobre a natureza da universidade. Esta ignorância, relevável no público em geral, é inadmissível em pessoas que ocupam por um tempo determinado funções públicas tão importantes para a formação escolar e universitária, para a pesquisa acadêmica em geral e para o futuro de nosso país.
É inaceitável, portanto, que essas disciplinas sejam consideradas um ‘luxo’, passível de corte em tempos de crise econômica como a que vivemos atualmente no país ou de ‘rebaixamento’ por motivação político-ideológica”, afirma o comunicado. ” – Associação Nacional de Pós-graduação em Filosofia