Associação de hospitais privados pede ao Ministério da Saúde medidas urgentes diante do risco de falta de medicamentos para entubação

Nesta sexta (19), a Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp) divulgou uma “carta aberta” na qual pede que o Ministério da Saúde tome medidas urgentes diante do risco de falta de medicamentos para entubação de pacientes com Covid-19, nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Brasil.

A Anahp disse ter realizado um levantamento em 18 de março junto aos seus associados e constatado que verificou a “clara a escassez de medicamentos essenciais”. A entidade listou seis medicamentos usados no procedimento de entubação, e três deles têm estoque médio de apenas quatro dias.

A entidade aponta desorganização na aquisição dos medicamentos.

“Nos últimos dois dias, houve várias requisições, desorganizando a cadeia de suprimentos e privando hospitais dos recursos necessários já contratados para atender à crescente demanda de pacientes com a Covid-19”, escreveu a entidade.

Um exemplo desse pedido de estoque de remédios pelo governo federal é o feito ao laboratório Cristália, que tem unidades em nas regiões de Campinas (SP) e Piracicaba (SP). Nesta sexta-feira, a companhia recebeu uma requisição administrativa do Ministério da Saúde para entregar medicamentos usados em UTIs para entubação.

Na quarta-feira (17), o Ministério da Saúde informou que fez uma requisição administrativa de 665,5 mil medicamentos para entubação no período de 15 dias. De acordo com a pasta, a requisição não inclui o estoque já contratado previamente pelos estados e municípios junto aos fabricantes.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, órgão vinculado ao Ministério da Saúde, disse que busca novos fornecedores. Além disso, se comprometeu a divulgar “medidas regulatórias emergenciais para enfrentar a escassez de medicamentos para entubação e suporte ventilatório de pacientes graves”.

Fonte G1