Nesta quarta, 74,6 mil doses de vacinas chegam ao RN

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), anunciou que um novo lote de vacinas contra a Covid-19 está previsto para chegar nesta quarta-feira (17) ao Estado. Ao todo, serão mais 74,6 mil doses da CoronaVac.

Atualmente, a recomendação da Secretaria de Estado da Saúde Pública (Sesap) é para que sejam vacinados os idosos entre 75 e 79 anos de idade nesta atual etapa.

A capital Natal recentemente começou a vacinar idosos a partir de 76 anos, mas distribuiu nesta terça-feira (16) as últimas doses remanescentes e deve suspender a imunização a partir desta quarta-feira (17).

O município de Parnamirim, na Região Metropolitana, também precisou parar a vacinação nesta terça-feira (16) por falta de doses.

Cerca de metade dessas 74,6 mil doses serão distribuídas proporcionalmente para todos os municípios potiguares. A outra metade é referente à segunda dose e fica armazenada na Unidade Central de Agentes Terapêuticos (Unicat) e só são remetidos no período da aplicação para as cidades. Cerca de 5% também fica retido na Unicat como reserva técnica definida pelo Ministério da Saúde.

Essa é a 11ª remessa de vacina contra a Covid-19 que chega ao Rio Grande do Norte. Ao todo, o estado recebeu 388.840 doses de imunizantes, sendo 321 mil da CoronaVac e 67 mil de Oxford/AstraZeneca.

De acordo com o RN+ Vacina, 150 mil pessoas foram vacinadas no estado até esta terça-feira (16), sendo cerca de 51 mil delas já com a aplicação da segunda dose. A vacinação começou no RN em 19 de janeiro e imunizou profissionais da saúde e caminha na aplicação em idosos – atualmente vacina os acima de 75 anos.

“O impacto é tão grande (da vacinação) que a gente não está vendo hoje os idosos mais velhos que tomaram as duas doses da vacina, e também, profissionais de saúde que já se vacinaram (internados). O que vemos é que pessoas com menos de 60 anos são mais volumosas nas internações. E a principal explicação para isso é a vacina”, disse o diretor geral do Hospital Giselda Trigueiro, André Prudente.

Fonte G1