E pensar que a família de Zaira, e toda a sociedade, pagaram Pedro Inácio para que ele a protegesse…

A estudante universitária, Zaira Cruz, de 22 anos, foi estuprada e morta, gritam todas as manchetes com letras garrafais.

O acusado é um “machão” que não poupou a vida da moça, não bastasse ter lhe estuprado, transado à força, sem ela querer, arrancando seu direito de dizer não. Tirando sua vida, arrancando pedaços de sua intimidade sagrada.

“Morreu por não satisfazer o desejo dele”, vi algo assim publicado por aí. Que desejo estranho esse é o desejo de matar!

Feminicídio, crime cometido contra a vida da mulher. Uma das primeiras escritoras a usar o conceito de feminicídio, foi a africana Diana Russel, que hoje tem 80 anos e é radicada nos Estados Unidos. Ela escreveu: “feminicídio é a matança de mulheres por homens, porque elas são mulheres”.

Covarde é quem comete esse crime. Só tem força com quem tem menos força física que ele. Esse é o perfil.

Pedro Inácio Araújo de Maria. Esse é o nome do acusado.

Um rapaz que vestia a farda da Polícia Militar, tão honrosa, não poupou nem a patente que lhe foi confiada. E seu salário é pago por nós, pelo povo, pelos pais de Zaira, inclusive, para protegê-la.

Sua corporação deve estar envergonhada e triste por tamanha barbárie. E não merece ter seu nome associado a quem não soube honrá-la.

A Polícia Civil e todas as forças de segurança envolvidas estão de parabéns pelo trabalho que fizeram: mostraram as evidências do crime cometido apontando o acusado.