Com “lockdown”, cidade que colapsou em SP, reduz casos de Covid pela metade em 17 dias

Há 285 quilômetros da capital São Paulo, Araraquara foi uma das primeiras cidades paulistas a sofrer um colapso no sistema de saúde em 2021.

A partir da segunda semana de fevereiro, o número de casos subiu vertiginosamente e as enfermarias e unidades de terapia intensiva (UTI) atingiram lotação máxima.

Desde a última sexta-feira (05/03), porém, apareceram os primeiros indícios (ainda bem tímidos) de alívio na pandemia por lá.

O número de novos casos de covid-19 diagnosticados caiu pela metade, apesar de a taxa de internações e mortes ainda estar em alta.

Sem meios de mitigar a crise sanitária, a prefeitura não teve outra saída e precisou decretar medidas bastante drásticas.

“Fizemos um lockdown de verdade, diferente do que acontece na maioria dos lugares do país”, diz Honain, que também é professora do curso de medicina da Universidade de Araraquara.

A partir de 20 de fevereiro, todos os serviços que não tinham a ver com a área da saúde foram suspensos, incluindo o transporte público e os supermercados (que só podiam funcionar pelo sistema de delivery).

Também existia uma fiscalização muito pesada e as poucas pessoas que estavam na rua sem necessidade eram orientadas e até multadas.

O período de maior endurecimento motivou protestos, especialmente das associações de comerciantes, que foram muito prejudicadas pela proibição das atividades.

A proibição de circulação de moradores sem justificativa e fechamento de serviços essenciais, como supermercados e postos, além de suspensão do transporte, foi iniciado um dia após Araraquara bater recorde de casos com 248 registros.

O número de pessoas em quarentena infectadas pela doença caiu 58%. Em 21 de fevereiro, havia 1.512 pessoas em isolamento domiciliar cumprindo a quarentena por estarem contaminadas com o novo coronavírus. Já na quarta-feira (10), esse número era 635, menos da metade.

Em relação às internações, os dias 25 e 26 de fevereiro registraram o pico: 247 pacientes com Covid-19 em UTIs e enfermarias do município.

Segundo a prefeitura, desde o início da pandemia, nunca houve tantos pacientes internados como nesses dois dias. Nesta quarta-feira, havia 177 pacientes em hospitais. Número ainda alto, segundo a prefeitura, mas 28,34% menor que a máxima. 

Fonte G1