Casa do Artesão do Seridó terá o nome da artesã Raimunda, de Chico Faísca

O deputado estadual Francisco do PT em Projeto de Lei, homenageia a artesã Raimunda Cícero da Conceição, dando seu nome a Casa do Artesão do Seridó. A homenageada é descrita como uma mulher simples, negra e de poucas letras, uma grande artista do barro tirado da terra ressequida pelo sol.

Ela nasceu em 1933 na cidade paraibana de Bananeiras. Ainda com nove meses, sua família deixou a região do brejo paraibano e veio para o Seridó Potiguar. Desde criança, ensinada pela mãe, fazia peças de barro para brincar.

Em Caicó era conhecida como “Raimunda Coelho”, “Raimunda Louceira”, e ainda como “Raimunda de Chico Faísca”.

A Casa do Artesão do Seridó vai funcionar no prédio da antiga Coletoria Geral do Estado, no centro de Caicó. O prédio de estilo colonial foi reformado pelo Projeto Governo Cidadão, com investimento de R$ 793 mil, via empréstimo com o Banco Mundial. Com 467 m² de área, a Casa está localizada na área mais antiga da cidade próxima ao Mercado Público, à matriz de Sant’Ana, à igreja do Rosário e à Praça da Liberdade.

O equipamento funcionará com diversos ambientes: recepção; salas de administração, de apoio ao auditório; salão de vendas do artesanato; seis salas de exposição; cozinha; almoxarifado; apartamentos com banheiros; cinco banheiros; área aberta com pátio e palco para apresentações culturais nos fundos da construção.

Dona Raimunda foi tema central de reportagem da jornalista Lena Frias, com o fotógrafo Alberto Ferreira, no Jornal do Brasil, o conhecido JB, do Rio de Janeiro, em 1978.

Publicada em 9 de janeiro de 1978, a matéria jornalística destacou que a arte de  Raimunda Cícero era uma referência, onde a mistura do solo seco e árido do Seridó dava as suas peças de barro uma composição, uma textura,  “fina” e “única”. Chamou atenção da jornalista, o fato de Raimunda moldar suas peças sem planejamento prévio, sem desenho nenhum. Dizia que fazia tudo de “cabeça”.

Sobre a realização com seu trabalho, na época Raimunda confidenciou a jornalista que o resultado daquele trabalho a deixava tão feliz, ao ponto dela muitas vezes ter  “vontade de chorar” quando uma “loiça” ficava pronta, com sua original cor pardo-avermelhado.

A Casa do Artesão do Seridó vai funcionar no prédio da antiga Coletoria Geral do Estado, no centro de Caicó. O prédio de estilo colonial foi reformado pelo Projeto Governo Cidadão, com investimento de R$ 793 mil, via empréstimo com o Banco Mundial. Com 467 m² de área, a Casa está localizada na área mais antiga da cidade próxima ao Mercado Público, à matriz de Sant’Ana, à igreja do Rosário e à Praça da Liberdade.

O equipamento funcionará com diversos ambientes: recepção; salas de administração, de apoio ao auditório; salão de vendas do artesanato; seis salas de exposição; cozinha; almoxarifado; apartamentos com banheiros; cinco banheiros; área aberta com pátio e palco para apresentações culturais nos fundos da construção.

A Casa do Artesão do Seridó é um sonho antigo das artesãs e artesãos do Seridó, que buscam ter um local para comercializar seus trabalhos diariamente.

Fontes:

@blogdagl

Rostand Medeiros

@sethasrn

Fotos: Divulgação.