Após vacinação em massa, centenas celebram a Páscoa em Israel

Num canto da Igreja do Santo Sepulcro, as lágrimas de Angèle Pernecita revelam uma emoção que esta cristã tem dificuldade em traduzir em palavras. Confinada no ano passado devido ao coronavírus, a filipina agora vacinada compartilha o fervor que toma Jerusalém na Páscoa.

Como ela, centenas de fiéis caminharam pelos paralelepípedos da Cidade Velha por ocasião desta Sexta-feira Santa, recordando a crucificação de Cristo.

No Santo Sepulcro, igreja considerada o lugar mais sagrado do cristianismo, as orações de uma multidão ecoaram como não se ouviu por meses meses.

Em seu interior, alguns não hesitaram em tocar ou mesmo beijar, com ou sem máscara sanitária, a Pedra da Unção, placa de calcário avermelhado sobre a qual, segundo a tradição, foi embalsamado o corpo de Cristo antes de ser sepultado.

“É muito melhor do que no ano passado”, diz Pernecita, com o rosto coberto de lágrimas.