Alambique Samanaú sofre 23 denúncias após anunciar que ia fabricar álcool 70

Depois de anunciar que iria produzir álcool etílico a base de 70% para ajudar a prevenir o Covid-19 , o Alambique Samanaú, localizado na zona rural de Caicó, foi alvo de 23 denúncias na Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Isto porque a Samanaú estaria fabricando o produto de forma ilegal.

Dadá Costa, proprietário da indústria e idealizador do novo projeto, já havia criado marca e rótulo e o produto levaria o nome de Dona Santa, em homenagem a mãe do empresário.

Procurado pelo blog Suerda Medeiros no final da tarde desta sexta-feira, 3, Dadá Costa disse que preferia aguardar qualquer resultado sobre as denúncias, antes de se pronunciar.  Perguntei se sua indústria teria condições técnicas de produzir o álcool 70: “toda condição”, respondeu.   

O álcool gel ou liquido, usado para higienizar as mãos e produtos do coronavírus, virou artigo escasso no mercado e vendido, muitas vezes, a preço elevado do que costumava ser cobrado.

As denúncias na Anvisa podem ser feitas anonimamente.

Fontes informam que a maioria das denúncias teriam partido de Caicó, mas Dadá não disse que sim. Nem que não.